Demanda de passageiros cresceu em maio, diz Iata


O CEO da Iata, Alexandre de Juniac, disse também que deve haver um diálogo maior entre os reguladores e as empresas do setor

CEO da Iata, Alexandre de Juniac

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) anunciou os resultados gerais do tráfego de passageiros de maio de 2018, mostrando que a demanda (RPKs) subiu 6,1% em comparação com o mesmo mês em 2017. A capacidade subiu 5,9% e a taxa de carga aumentou 0,1 ponto percentual, atingindo 80,1%.

“Maio foi mais um mês sólido em termos de crescimento da demanda. Como já esperávamos, tivemos uma certa moderação, já que os custos crescentes das companhias aéreas estão reduzindo o incentivo para tarifas aéreas mais baixas. Em particular, os preços dos combustíveis da aviação devem aumentar quase 26% este ano em relação a 2017. Porém, o fator de carga recorde deste mês mostra que a demanda por conectividade aérea é forte”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata.

Mercados internacionais – A demanda do tráfego internacional de passageiros subiu 5,8%, um aumento na comparação com a taxa de 4,6% obtida em abril. Todas as regiões registraram crescimento, a maior taxa foi das companhias aéreas da região Ásia-Pacífico. A capacidade total subiu 5,4% e o fator de carga subiu 0,3 ponto percentual, atingindo 78,7%.

Mercados domésticos – A demanda por viagens domésticas subiu 6,6% em maio na comparação com maio de 2017, liderada pelo crescimento na China e na Índia. Esse resultado ficou abaixo do crescimento de 8,6% em relação ao ano anterior registrado em abril, em grande parte devido ao crescimento moderado nos dois países, apesar do aumento de dois dígitos no tráfego dos dois países.

A Iata divulgou seu relatório econômico do primeiro semestre de 2018, mostrando as expectativas de lucro líquido de US$ 33,8 bilhões do setor. “Este é um desempenho sólido. Mas a nossa reserva para compensar impactos é de apenas US$ 7,76. Esse é o lucro médio por passageiro das companhias aéreas neste ano – uma margem líquida estreita de 4,1%. Além disso, existem ameaças no horizonte, incluindo o aumento de custos, o crescente sentimento protecionista e o risco de guerras comerciais, além das tensões geopolíticas. Os governos que reconhecerem a importância do setor tomarão medidas para garantir que a aviação seja economicamente sustentável. A aviação funciona melhor quando as fronteiras estão abertas ao comércio e às pessoas”, disse Alexandre de Juniac.

Fonte: Mercado & Eventos

Previous Evento internacional em São Paulo visa difundir segmento de destilados em solo nacional
Next Grupo Lufthansa transportou mais de 13 milhões de passageiros em junho

Suggested Posts

Eduardo Genekian da Cruise America, Vitor Santos da Orinter, Danilo Brito da Europlus, Lizandra Pajak do Brand USA, Sandra Prismich da Agaxtur, Rodrigo Ferreira da Schultz e Bruno Delfini da BWT em Horseshoe Bend, Arizona O Brand USA, órgão oficial de turismo dos Estados Unidos, em parceria com a Cruise America, realizou, pela primeira vez, …

0 17

Altamiro Medicci com a piloto e co-piloto Annemari Smit e Jane Trembath A South African Airlines recebeu em São Paulo, na tarde desta quarta (22), um voo tripulado exclusivamente por mulheres em comemoração ao ao mês da mulher na África. Durante todo o mês de agosto diversas atividades serão promovidas no país para comemorar a …

0 6

Alitalia teve 99,8% dos voos programados sendo operados em abril A Alitalia foi considerada pela segunda vez este ano como a companhia aérea mais pontual da Europa e a quarta mais pontual do mundo. Foram 87% dos voos aterrizando nos horários previstos durante o mês de abril, de acordo com o portal FlightStats. Ainda em …

0 12

Comentários